quarta-feira, 22 de setembro de 2021

Liturgia Diária - É a graça que faz o Apóstolo.

 Domingo XI do Tempo Comum - ano A - 14 de junho e 2020 - Paroquia Nossa  Senhora da Conceição

Leitura (Esdras 9,5-9)

Leitura do livro de Esdras.
9 5 Na hora da oblação da tarde, levantei-me de minha aflição com minhas vestes e meu manto rasgados; então, caindo de joelhos, estendi as mãos para o Senhor, meu Deus,
6 e disse: "Meu Deus, estou coberto de vergonha e de confusão ao levantar minha face para vós, meu Deus; porque as nossas iniqüidades acumularam-se sobre nossas cabeças, e nosso pecado chegou até o céu.
7 Desde o tempo de nossos pais até o dia de hoje, temos sido gravemente culpados; e por causa de nossas iniqüidades, fomos escravizados, nós, nossos reis e nossos filhos; fomos entregues à mercê dos reis de outras terras, à espada, ao cativeiro, à pilhagem e à vergonha que nos cobre mesmo nos dias de hoje.
8 Entretanto, o Senhor, nosso Deus, testemunhou-nos por um momento a sua misericórdia, permitindo que subsistisse um resto dentre nós, e concedeu-nos um abrigo em seu lugar santo. Nosso Deus quis assim fazer brilhar a nossos olhos a sua luz, e nos dar um pouco de vida no meio de nossa servidão.
9 Sim somos escravos; mas nosso Deus não nos abandonou em nosso cativeiro. Ele concedeu-nos a benevolência dos reis da Pérsia, dando-nos vida bastante para reconstruir a morada de nosso Deus, reerguer as ruínas, e prometendo-nos um abrigo seguro em Judá e em Jerusalém".
Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial Tb 13

Bendito seja Deus que vive eternamente!

Vós sois grande, Senhor, para sempre,
e vosso reino se estende nos séculos!
Porque vós castigais e salvais,
fazeis descer aos abismos da terra
e de lá nos trazeis novamente:
de vossas mãos nada pode escapar.

Vós que sois de Israel, dai-lhe graças
e por entre as nações celebrai-o!
O Senhor dispersou-vos na terra
para narrardes sua glória entre os povos
e faze-los saber, para sempre,
que não há outro Deus além dele.

Castigou-nos por nossos pecados,
seu amor haverá de salvar-nos.
Compreendei o que fez para nós,
dai-lhe graças com todo o respeito!

Bendizei o Senhor, seus eleitos,
fazei festa e alegres louvai-o!

Evangelho (Lucas 9,1-6)

Aleluia, aleluia, aleluia.
Convertei-vos e crede no Evangelho, pois o reino de Deus está chegando! (Mc 1,15)


Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas.
Naquele tempo, 9 1 reunindo Jesus os doze apóstolos, deu-lhes poder e autoridade sobre todos os demônios, e para curar enfermidades.
2 Enviou-os a pregar o Reino de Deus e a curar os enfermos.
3 Disse-lhes: “Não leveis coisa alguma para o caminho, nem bordão, nem mochila, nem pão, nem dinheiro, nem tenhais duas túnicas.
4 Em qualquer casa em que entrardes, ficai ali até que deixeis aquela localidade.
5 Onde ninguém vos receber, deixai aquela cidade e em testemunho contra eles sacudi a poeira dos vossos pés”.
6 Partiram, pois, e percorriam as aldeias, pregando o Evangelho e fazendo curas por toda parte.
Palavra da Salvação.

Reflexão

No Evangelho de hoje, Jesus envia seus Apóstolos em missão, assim como o Pai o enviou a este mundo para anunciar a libertação aos cativos (cf. Lc 4, 19). É Ele, portanto, o primeiro apóstolo, o primeiro enviado e o primeiro legado que Deus enviou aos homens; e para que o Senhor, Verbo eterno, pudesse cumprir mediante a sua humanidade santíssima esta missão, o Espírito Santo estava constantemente sobre Ele (cf. Lc 4, 18), ungindo-o com a abundância de sua graça. Por isso, também os Apóstolos, para o serem de fato, precisam ser não apenas enviados, mas receber ainda a graça do Espírito Santo. É por este motivo que, ao escolhê-los após uma noite prolongada de oração (cf. Lc 6, 12), Jesus os quer bem perto de si: “Designou doze dentre eles para ficar em sua companhia” (Mc 3, 14), porque é só junto de Cristo que eles podem encontrar graça, verdade e força. Uma vez na companhia do Senhor, os Apóstolos são hoje enviados em missão; mas este envio é somente uma antecipação do envio por excelência, que terá lugar em Pentecostes, quando, aí, sim, o Espírito de Deus for derramado abundantemente sobre o colégio apostólico, conferindo aos Doze a plenitude do apostolado cristão, neste duplo aspecto que aqui consideramos: de um lado, o envio por parte de Cristo; de outro, a recepção da graça divina, sem a qual de nada valem os empreendimentos humanos, por maiores e mais bem intencionados que sejam. 

Quanto a nós, embora não sejamos “apóstolos” no sentido estrito da palavra, somos contudo verdadeiros discípulos e membros do Corpo de Cristo; temos, consequentemente, o dever de anunciar o Evangelho às pessoas que Deus colocou à nossa volta e a necessidade, para tanto, do auxílio sobrenatural da graça. Não “desnaturemos” a evangelização, iludidos pela ideia, tão falsa quanto perniciosa, de que basta esforço e boa vontade, sem contar para nada com os “métodos” que o próprio Deus instituiu ao enviar seu Filho ao mundo — a docilidade à graça, a oração, o sacrifício, o abandono irrestrito à vontade do Pai.

 

https://padrepauloricardo.org

terça-feira, 21 de setembro de 2021

Liturgia Diária - Jesus chama Mateus.

  Grupo de Oração Semeando a Paz: Liturgia Diaria - O grande segredo.
Leitura (Efésios 4,1-7.11-13)

Leitura da carta de são Paulo aos Efésios.
4 1 Exorto-vos, pois, - prisioneiro que sou pela causa do Senhor -, que leveis uma vida digna da vocação à qual fostes chamados,
2 com toda a humildade e amabilidade, com grandeza de alma, suportando-vos mutuamente com caridade.
3 Sede solícitos em conservar a unidade do Espírito no vínculo da paz.
4 Sede um só corpo e um só espírito, assim como fostes chamados pela vossa vocação a uma só esperança.
5 Há um só Senhor, uma só fé, um só batismo.
6 Há um só Deus e Pai de todos, que atua acima de todos, por todos e em todos.
7 Mas a cada um de nós foi dada a graça, segundo a medida do dom de Cristo,
11 A uns ele constituiu apóstolos; a outros, profetas; a outros, evangelistas, pastores, doutores,
12 para o aperfeiçoamento dos cristãos, para o desempenho da tarefa que visa à construção do corpo de Cristo,
13 até que todos tenhamos chegado à unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, até atingirmos o estado de homem feito, a estatura da maturidade de Cristo.
Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial 18/19A
Seu som ressoa e se espalha em toda a terra.
 
Os céus proclamam a glória do Senhor,
e o firmamento, a obra de suas mãos;
o dia ao dia transmite essa mensagem,
a noite à noite publica essa notícia.
 
Não são discursos nem frases ou palavras,
nem são vozes que possam ser ouvidas;
seu som ressoa e se espalha em toda a terra,
chega aos confins do universo a sua voz.

Evangelho (Mateus 9,9-13)

Aleluia, aleluia, aleluia.
A vós, ó Deus, louvamos, a vós, Senhor, cantamos, vos louva, ó Senhor, o coro dos apóstolos.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus.
9 9 Partindo dali, Jesus viu um homem chamado Mateus, que estava sentado no posto do pagamento das taxas. Disse-lhe: "Segue-me. O homem levantou-se e o seguiu".
10 Como Jesus estivesse à mesa na casa desse homem, numerosos publicanos e pecadores vieram e sentaram-se com ele e seus discípulos.
11 Vendo isto, os fariseus disseram aos discípulos: "Por que come vosso mestre com os publicanos e com os pecadores?"
12 Jesus, ouvindo isto, respondeu-lhes: "Não são os que estão bem que precisam de médico, mas sim os doentes.
13 Ide e aprendei o que significam estas palavras: Eu quero a misericórdia e não o sacrifício. Eu não vim chamar os justos, mas os pecadores."
Palavra da Salvação.

Reflexão

O Evangelho de hoje nos diz que Jesus viu primeiro. Referindo-se a Mateus, é vê-lo na sua situação cotidiana: Jesus viu um homem chamado Mateus, sentado na coletoria de impostos. Mas o olhar de Jesus é capaz de ir além do que um simples olhar enxerga de um judeu cobrador de impostos. Ele reconhece em Mateus um filho muito querido de Deus, e isso é o que Ele comunica primeiro para o cobrador de impostos. Seu olhar sobre Mateus está carregado da ternura e misericórdia de Deus Pai-Mãe, que cura as feridas e perdoa os pecados, amando-o incondicionalmente.
Enganamo-nos achando que somente os que já vivem cumprindo os mandamentos têm primazia no reino dos céus. Entendemos que os grandes pecadores, isto é, os que cometem barbaridades não têm mais chances com Deus por causa das suas grandes transgressões. Jesus Cristo, neste Evangelho vem nos dizer justamente o contrário: “eu não vim chamar os justos, mas os pecadores”. Ele compara o pecador àquele que está doente e, por isso, precisa de médico para ser curado. Todos nós precisamos de médico, pois somos doentes, pecadores. Portanto, Jesus Cristo é o médico que foi enviado pelo Pai para nos devolver a saúde.
Por isso, Ele nos chama e nos atrai para si, mesmo que estejamos “sentados na coletoria de impostos” com a mente cheia de interesses pecaminosos e com mil planos para colocar em ação. Jesus nos vê e se apieda do nosso coração doente e nos chama com autoridade: “Segue-me”! Quando escutamos a Sua Palavra que nos chama, nós não conseguimos mais ficar parados no mesmo posto. Como Mateus, nós também nos levantamos e O seguimos. O seguimento de Jesus nos leva, então, a negar tudo o que o mundo nos ensinou e a assumir compromisso com uma vida digna de filhos e filhas de Deus. Jesus chama os pecadores, a sua missão é esta. Em qualquer lugar ou situação em que nos encontremos Ele nos faz o convite para segui-Lo, no entanto, Ele deseja ser convidado para entrar na nossa casa e levar para lá a salvação, não importando como esteja a nossa família. Ele não quer só a nós, Ele quer a todos.
Qual é a sua postura diante daqueles que são “pecadores públicos”? – Você acha que eles também têm direito a salvação? – Você se reconhece doente, necessitado de médico? – Jesus veio para você? – Você sente-se também julgado por alguém quando erra?

Senhor Jesus, faze-me trilhar o caminho da solidariedade, para que eu me aproxime daqueles aos quais deve ser levada a salvação.

 

Pe Bantu 

São Mateus.

 Resumo - Evangelho de Mateus - Padre Anderson MarçalPadre Anderson Marçal

São Mateus, coletor de impostos, apóstolo e evangelista: foge do dinheiro para um serviço de perfeita pobreza: a proclamação da mensagem cristã. O evangelho a ele atribuído nos fala mais amplamente que os outros três do uso certo do dinheiro: “Não ajunteis para vós tesouro na terra, onde a traça e o caruncho os destroem, e onde os ladrões arrombam e roubam, mas ajuntai para vós tesouros nos céus”. “Não podeis servir a Deus e ao dinheiro”. Foi Judas, porém, e não Mateus que teve o encargo de caixa da pequena comunidade apostólica. Mateus deixa o dinheiro para seguir o Mestre, enquanto Judas o trai por trinta dinheiros. Quando falam do episódio do coletor de impostos chamado a seguir Jesus, os outros evangelistas, Marcos e Lucas, falam de Levi. 

Mateus ao contrário prefere denominar-se com o nome mais conhecido de Mateus e usa o apelido de publicano, que soa como usuário ou avarento, “para demonstrar aos leitores – observa São Jerônimo – que ninguém deve desesperar da salvação, se houver uma conversão para uma vida melhor”. Mateus, o rico coletor, respondeu ao chamado do Mestre com entusiasmo. No seu evangelho, ele esconde humildemente este alegre particular, mas a informação foi divulgada por São Lucas: “Levi preparou ao Mestre uma grande festa na própria casa; uma numerosa multidão de publicanos e outra gente sentavam-se à mesa com eles”. Depois, no silêncio e com discrição livrou-se do dinheiro, fazendo o bem. É dele de fato que nos refere a admoestação do Mestre: “Quando deres uma esmola, não saiba a tua esquerda o que faz a tua direita, para que a tua esmola fique em segredo; e o teu Pai, que vê o que está oculto, te recompensará”.

 

Prof. Felipe Aquino

segunda-feira, 20 de setembro de 2021

Liturgia Diária - Somos lâmpadas que irradiam a Luz de Deus.

 SOMOS LÂMPADAS QUE IRRADIAM A LUZ DE DEUS - Grupo de Oração Semeando a Paz:  LITURGIA DIÁRIA

Leitura (Esdras 1,1-6)

Leitura do livro de Esdras.
1 1 No primeiro ano de Ciro, rei da Pérsia, para que se cumprisse a profecia posta pelo Senhor na boca de Jeremias, o Senhor suscitou o espírito de Ciro, rei da Pérsia, o qual mandou fazer em todo o seu reino, de viva voz e por escrito, a proclamação seguinte: 2 "Assim fala Ciro, rei da Pérsia: o Senhor, Deus do céu, deu-me todos os reinos da terra, e encarregou-me de construir-lhe um templo em Jerusalém, que fica na terra de Judá. 3 Quem é dentre vós pertencente ao seu povo, que seu Deus o acompanhe, suba a Jerusalém que fica na terra de Judá e construa o templo do Senhor, Deus de Israel, o Deus que reside em Jerusalém. 4 Que todos os sobreviventes (de Judá) onde quer que residam, sejam providos pelos habitantes da localidade onde se encontrarem, de prata, ouro, cereais e gado, bem como de oferendas voluntárias para o templo do Deus que reside em Jerusalém".
5 Então os chefes de família de Judá e de Benjamim, bem como todos os sacerdotes e os levitas, principalmente todos aqueles cujo espírito Deus havia tocado, prepararam-se para ir reedificar o templo do Senhor em Jerusalém. 6 Todos os que habitavam pelas redondezas ajudaram-nos, dando-lhes prata, ouro, bens diversos, gado, cereais e coisas preciosas, além das outras ofertas voluntárias.
Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial 125/126

Maravilhas fez conosco o Senhor!

Quando o Senhor reconduziu nossos cativos,
parecíamos sonhar; 
encheu-se de sorriso nossa boca,
nossos lábios, de canções.

Entre os gentios se dizia: “Maravilhas
fez com eles o Senhor!” 
Sim, maravilhas fez conosco o Senhor,
exultemos de alegria!

Mudai a nossa sorte, ó Senhor,
como torrentes no deserto. 
Os que lançam as sementes entre lágrimas,
ceifarão com alegria.

Chorando de tristeza sairão, 
espalhando suas sementes; 
cantando de alegria voltarão,
carregando os seus feixes!

Evangelho (Lucas 8,16-18)

Aleluia, aleluia, aleluia.

Vós sois a luz do mundo; brilhe a todos a vossa luz. Vendo eles vossas obras, deem glória ao Pai celeste! (Mt 5,16)

 

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas.
8 16 Disse Jesus: “Ninguém acende uma lâmpada e a cobre com um vaso ou a põe debaixo da cama; mas a põe sobre um castiçal, para iluminar os que entram.
17 Porque não há coisa oculta que não acabe por se manifestar, nem secreta que não venha a ser descoberta.
18 Vede, pois, como é que ouvis. Porque ao que tiver, lhe será dado; e ao que não tiver, até aquilo que julga ter lhe será tirado”.
Palavra da Salvação.

Reflexão

esus é Luz e acende em nós esta luz para que possamos irradiá-la por onde passamos. A nossa vida é a lâmpada que deve irradiar a Luz de Deus. Porém, muitas vezes nós somos como luminárias apagadas ou mesmo cobertas. Não nos colocamos à vista, não nos apresentamos nem nos deixamos ser vistos (as). Ficamos como que escondidos (as), porque não queremos compromisso nem desejamos assumir encargos para uma vida mais profícua. Uma vida apagada, medíocre, voltada somente para as coisas fúteis, para os prazeres, os lucros, o bem estar da carne, é como uma lamparina coberta, não tem serventia. Se, somos pessoas que meditamos a Palavra de Deus, com certeza temos em nós a Sua Luz, o Seu direcionamento e conhecemos o Seu pensamento. Seremos cobrados por tudo quanto nós recebemos. Não nos enganemos: refletir com a palavra de Deus é assumir compromisso para mudar o mundo. 

Quanto mais recebemos, mas teremos que dar. Seremos julgados conforme a capacidade que ganhamos de Deus. Possui alguma coisa na vida, aquele (a) que irradia ao mundo, a Luz de Jesus, os Seus ensinamentos e a Sua mensagem evangélica. A esse (a), será dado mil vezes mais, pois terá a vida eterna. Porém, aquele (a) que vive só para o mundo, pensa que tem tudo, mas não possui nada. Por isso, no final, não terá mais nem a própria vida que pensa possuir. Continuará sem nada. - Como tem sido a sua vida: uma lâmpada coberta ou colocada no candeeiro? – De que você tem consciência que precisa mudar para irradiar a Luz de Cristo? – Você tem a ousadia de querer mudar o mundo? – Como você poderá mudar este mundo: falando ou agindo? – A sua lâmpada está acesa e colocada à vista de todos? – A lâmpada, é o seu testemunho e o compromisso que você assume para edificação do reino de Deus. Pense nisto e faça novos propósitos de vida, hoje.

 

Helena Serpa

domingo, 19 de setembro de 2021

25º Domingo do Tempo Comum - “Se alguém quiser ser o primeiro, que seja o último"

 7 Filmes Recentes sobre a vida de Jesus Cristo - Entreter-se
Primeira Leitura: Sabedoria 2,12.17-20

Leitura do livro da Sabedoria – Os ímpios dizem: 12“Armemos ciladas ao justo, porque sua presença nos incomoda: ele se opõe ao nosso modo de agir, repreende em nós as transgressões da lei e nos reprova as faltas contra a nossa disciplina. 17Vejamos, pois, se é verdade o que ele diz e comprovemos o que vai acontecer com ele. 18Se, de fato, o justo é ‘filho de Deus’, Deus o defenderá e o livrará das mãos dos seus inimigos. 19Vamos pô-lo à prova com ofensas e torturas, para ver a sua serenidade e provar a sua paciência; 20vamos condená-lo a morte vergonhosa, porque, de acordo com suas palavras, virá alguém em seu socorro”. ­

 Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 53(54)

É o Senhor quem sustenta minha vida!

1. Por vosso nome, salvai-me, Senhor; / e dai-me a vossa justiça! / Ó meu Deus, atendei minha prece / e escutai as palavras que eu digo! – R.

2. Pois contra mim orgulhosos se insurgem, † e violentos perseguem-me a vida: / não há lugar para Deus aos seus olhos. / Quem me protege e me ampara é meu Deus; / é o Senhor quem sustenta minha vida! ­– R.

3. Quero ofertar-vos o meu sacrifício / de coração e com muita alegria; / quero louvar, ó Senhor, vosso nome, / quero cantar vosso nome, que é bom! – R.

Segunda Leitura: Tiago 3,16-4,3

Leitura da carta de São Tiago – Caríssimos, 16onde há inveja e rivalidade, aí estão as desordens e toda espécie de obras más. 17Por outra parte, a sabedoria que vem do alto é, antes de tudo, pura, depois pacífica, modesta, conciliadora, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade e sem fingimento. 18O fruto da justiça é semeado na paz, para aqueles que promovem a paz. 4,1De onde vêm as guerras? De onde vêm as brigas entre vós? Não vêm, justamente, das paixões que estão em conflito dentro de vós? 2Cobiçais, mas não conseguis ter. Matais e cultivais inveja, mas não conseguis êxito. Brigais e fazeis guerra, mas não conseguis possuir. E a razão está em que não pedis. 3Pedis, sim, mas não recebeis, porque pedis mal. Pois só quereis esbanjar o pedido nos vossos prazeres.

 Palavra do Senhor.

Evangelho: Marcos 9,30-37

Aleluia, aleluia, aleluia.

Pelo Evangelho o Pai nos chamou, / a fim de alcançarmos a glória / de nosso Senhor Jesus Cristo (2Ts 2,14). – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos – Naquele tempo, 30Jesus e seus discípulos atravessavam a Galileia. Ele não queria que ninguém soubesse disso, 31pois estava ensinando a seus discípulos. E dizia-lhes: “O Filho do Homem vai ser entregue nas mãos dos homens, e eles o matarão. Mas, três dias após sua morte, ele ressuscitará”. 32Os discípulos, porém, não compreendiam essas palavras e tinham medo de perguntar. 33Eles chegaram a Cafarnaum. Estando em casa, Jesus perguntou-lhes: “O que discutíeis pelo caminho?” 34Eles, porém, ficaram calados, pois pelo caminho tinham discutido quem era o maior. 35Jesus sentou-se, chamou os doze e lhes disse: “Se alguém quiser ser o primeiro, que seja o último de todos e aquele que serve a todos!” 36Em seguida, pegou uma criança, colocou-a no meio deles e, abraçando-a, disse: 37“Quem acolher em meu nome uma destas crianças é a mim que estará acolhendo. E quem me acolher está acolhendo não a mim, mas àquele que me enviou”. 

 Palavra da salvação

Reflexão

O evangelho que a liturgia de hoje nos apresenta, nos alerta  sobre o perigo que corremos de não corresponder aos anseios de Jesus. Se não ficarmos atentos, corremos o risco de tornamos pessoas frias, de atitudes automáticas, prisioneiros dos nossos  apegos.
Quando não acolhermos à proposta de vida nova trazida por Jesus, fica impossível nos libertar de tudo aquilo  que nos escraviza.
A nossa preocupação primeira, não deve ser com a nossa promoção pessoal e sim com a promoção da vida, vida na sua totalidade.
 Podemos perceber nas entrelinhas do evangelho, que Jesus tinha uma grande preocupação com a fragilidade de seus primeiros seguidores! Conhecedor das fraquezas humanas, Ele cuidava veementemente daqueles que iriam  dar continuidade à sua missão, após a sua volta para o Pai, estava sempre orientando os seus discípulos, advertindo-os sobre o perigo da auto-suficiência, de se deixarem levar pela vaidade, pelos interesses pessoais.
Era de costume, Jesus se afastar temporariamente do povo, para  dedicar um  tempo  especial na formação dos seus discípulos, despertar neles,  uma nova mentalidade  a respeito dos verdadeiros  valores, da necessidade  do esvaziamento de si mesmo para tornar-se servidor, conscientizando-os de  que,  para ser um  seu seguidor  era preciso  priorizar os valores eternos.
É natural que os  discípulos sentissem dificuldades em entender todo que Jesus  lhes comunicara, a respeito do desfecho de  sua trajetória terrena, pois eles ainda, não haviam entrado na dinâmica do Reino, continuavam apegados a outros valores.  Enquanto Jesus falava da sua morte e ressurreição, eles estavam em outra sintonia, querendo saber quem seria o maior.
Percebendo  a inquietação de todos e sabendo de seus pensamentos, Jesus chama os doze e pacientemente começa a  lhes dizer:” Se alguém quiser ser o primeiro seja o último, aquele que serve a todos”. E para exemplificar, toma consigo uma criança e a coloca no meio deles e diz:  “Quem acolher em  meu nome uma destas crianças, estará acolhendo a mim mesmo”. Naquele momento Jesus mostra para os discípulos, e hoje para nós,  um modelo de grandeza que agrada a Deus. Aquele pequeno ser, representado por uma criança,  passa a ser um  instrumento de questionamento aos que querem ser grande, segundo os critérios do mundo.  
O exemplo mais marcante que Jesus quis  passar e fazer até chegar até nós, é a importância de cultivar em nossos corações  a pureza de uma  criança e de nos tornar dependentes de Deus, como uma  criança, que é  totalmente  dependente do adulto.
A chave dos ensinamentos de Jesus, capaz de  abrir o nosso coração hoje, são os pequenos! Não somente a criança, mas todos aqueles que estão às margens, os últimos aos olhos do mundo.
Em toda a sua permanência física aqui na terra, Jesus nos deixa um grande exemplo de humildade: mesmo sendo o próprio Deus, se fez pequeno, a sua Nobreza, estava em ser “FILHO”! Um Filho completamente dependente do Pai!
 
 
 
Olívia Coutinho