terça-feira, 16 de julho de 2019

Liturgia diária - Eis aqui minha mãe e meus irmãos.

Resultado de imagem para jesus e irmaos blog semeando a paz

1a Leitura - Zacarias 2,14-17
Leitura da profecia de Zacarias.
2 14"Solta gritos de alegria, regozija-te, filha de Sião. Eis que venho residir no meio de ti - oráculo do Senhor.
15Naquele dia se achegarão muitas nações ao Senhor, e se tornarão o meu povo: habitarei no meio de ti, e saberás que fui enviado a ti pelo Senhor dos exércitos. 16O Senhor possuirá Judá como seu domínio, e Jerusalém será de novo (sua cidade) escolhida. 17Toda criatura esteja em silêncio diante do Senhor: ei-lo que surge de sua santa morada".
Palavra do Senhor


Salmo - Lc 1
O Poderoso fez por mim maravilhas e santo é o seu nome.

A minha alma engrandece ao Senhor
e se alegrou o meu espírito em Deus, meu salvador.

Pois ele viu a pequenez de sua serva,
desde agora as gerações hão de chamar-me de bendita.
O Poderoso fez por mim maravilhas
e santo é o seu nome!

Seu amor, de geração em geração,
chega a todos os que o respeitam.
Demonstrou o poder de seu braço,
dispersou os orgulhosos.

Derrubou os poderosos de seus tronos
e os humildes exaltou.
De bens saciou os famintos
e despediu, sem nada, os ricos.

Acolheu Israel, seu servidor,
fiel ao seu amor,
como havia prometido aos nossos pais,
em favor de Abraão e de seus filhos para sempre.

Evangelho - Mateus 12,46-50
Aleluia, aleluia, aleluia.
Feliz quem ouve e observa a palavra de Deus! (Lc 11,28)
Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus.
12 46Jesus falava ainda à multidão, quando veio sua mãe e seus irmãos e esperavam do lado de fora a ocasião de lhe falar.
47Disse-lhe alguém: "Tua mãe e teus irmãos estão aí fora, e querem falar-te". 48Jesus respondeu-lhe: "Quem é minha mãe e quem são meus irmãos?" 49E, apontando com a mão para os seus discípulos, acrescentou: "Eis aqui minha mãe e meus irmãos. 50Todo aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe".
Palavra da Salvação.

 Reflexão

Jesus hoje nos apresenta a sua segunda família.  Ele disse que todo aquele que fizer a vontade do Pai,  fazem parte da sua família. Família
Universal. Ao contrário, aquele e aquela que mata, oprime, prejudica, escraviza, engana, está longe ser um participante da Família de Jesus. Pelo contrário, quem age assim, é seu inimigo, pois quem não é por mim, é contra mim, disse Jesus.

Notamos no mundo de hoje, muitos que usam o nome de Deus e de Jesus para fazer o mal.  Para prejudicar os irmãos pobres, para tirar-lhe o seu pobre dinheirinho. E  isso não é fazer a vontade do Pai!

Nós católicos praticantes temos duas famílias que no fundo, resulta, ou pelo menos deve resultar em uma grande família universal.

1-Temos a nossa família de sangue. Nossos pais,  irmãos...

2-Temos ainda a nossa família de fé, aquela em nossa volta na comunidade paroquial, e a grande família universal dos católicos do mundo, a qual nós pertencemos.

Pelo certo, a família de sangue deveria nos apoiar, nos incentivar, nos ajudar na nossa prática da fé, e na nossa participação na comunidade paroquial. Porém, nem sempre é isso o que acontece. Pelo contrário, muitas vezes podem surgir desentendimentos, entre os familiares, por causa da nossa dedicação incompreendida pelas coisas de Deus.
Do mesmo modo, podemos notar que nem sempre encontramos as famílias completas na missa, ou nas atividades paroquiais. Ou é a esposa, ou é um filho, uma das filhas, o marido, desacompanhados sempre dos demais componentes do resto da família. Nem todos participam juntos. Infelizmente esta é uma triste realidade!
Jesus foi bem claro. Minha mãe e meus irmãos, são todos aqueles que fazem a vontade do Pai.
Assim, todos aqueles que fazem a vontade de Deus Pai, são irmãos de Jesus, são os que integram a grande comunidade de fé, uma grande família com um só objetivo. Amar a Deus e ao irmão, fazendo a vontade de Deus Pai.

No acolhimento, no apoio, na confiança mútua, na prática do amor fraterno, que representa os laços que unem a todos os que ouviram o chamado de Deus e o seguiram, aqueles que disseram sim e realmente foram trabalhara na vinha do Senhor.
A família que pratica a sua fé, é uma família agradável aos olhos de 

Deus. Ajudando nas pastorais, evangelizando, tudo isso na prática do amor de Cristo, o qual devemos imitar, seguir, e testemunhar.
A família de sangue não deve se opor à nossa dedicação e a nossa entrega da família de fé. Se não ajuda, pelo menos não atrapalhe!  Que ela não dificulte a ação daqueles que querem participar da comunidade paroquial.
Como eu estou vivendo a minha fé? Eu estou participando da família de fé? Eu estou engajado na vida da Igreja? Quais as dificuldades que encontro para isso? Dentro de mim? Fora de mim, com relação às pessoas que convivo? O que tenho feito para melhorar o meu desempenho? O que tenho feito no sentido de ser melhor, de ser mais fraterno, de ser menos egoísta, de ser santo? De ser santa?
Será que o meu afastamento da comunidade foi mesmo por culpa das pessoas? Ou será que eu preciso avaliar o meu procedimento?
Será que eu me empenhei em amar? Ou estava lá com o objetivo de ser compreendido e amado? Compreendida e amada?
Será que entrei para a comunidade com o propósito de ajudar ou de ser ajudado?

De acolher ou de ser acolhida? Será que eu esperava receber amor, compreensão, em vez de dar tudo isso?
Caríssimas, e caríssimos. Muitas vezes culpamos os outros pelos nossos fracassos, pela nossa dificuldade no relacionamento, mas se formos analisar a nossa pessoa, chegaremos à conclusão, de que somos culpados pelo desprezo de algumas pessoas, pela frieza com a qual somos recebidos, recebidas, e assim por diante.
Façamos agora um bom exame de consciência aos olhos de Deus, e procuremos nos corrigir dos nossos defeitos, para assim, podermos participar melhor da família de sangue, e da família de fé, da comunidade a qual estamos engajados (as).
Se você sofrer algum tipo de incompreensão, ou mesmo se perceber algum desprezo velado por causa da sua prática da fé e da sua dedicação pelas coisas de Deus, não ligue! Não se perturbe. Pois Jesus disseque devemos largar mulher e filhos para segui-lo.
 
 

José Salviano

A Queda dos muros de Jericó.

(Js 6, 1-20)
Logo após a travessia do Jordão, os filhos de Israel defrontaram-se com a cidade de Jericó, habitada por cananeus hostis. Tiveram de se dispor ao assalto do reduto inimigo, obtendo por fim estrondosa vitória.
O texto bíblico referente ao episódio (Js 6, 1-20) parece ter sofrido glossas no decorrer dos tempos, prestando-se atualmente a diversos ensaios de reconstituição e interpretação; ademais as recensões hebraica e grega apresentam pequenas divergências entre si. Eis, porém, em grandes linhas, o que se verificou:
Havendo os filhos de Israel acampado diante de Jericó, os habitantes da cidade, confiantes no poder de suas muralhas, fecharam-se no interior destas, esperando que a penúria ou alguma inclemência da natureza obrigasse os invasores a retroceder. Foi então que, a mandado do Senhor, os guerreiros hebreus, junto com os sacerdotes, que levavam a arca de Javé, por seis dias consecutivo deram processionalmente a volta da cidade (a qual não devia ter perímetro muito longo, para poder ser bem defendida); os desfiles se fizeram ao som das trombetas dos sacerdotes. No sétimo dia, efetuaram sete circuitos, após os quais ressoaram as trombetas; a estas os quarenta mil filhos de Israel (cf. Js 4, 13) responderam imediatamente com brado poderosíssimo; em consequência, as muralhas de Jericó desmoronaram e os assaltantes puderam penetrar na cidade.
Não há dúvida, trata-se aqui de um feito maravilhoso, que só se verificou por intervenção extraordinária de Deus. É o que a Sagrada Escritura explicitamente recorda num dos livros posteriores do Antigo Testamento:
“O soberano Senhor do mundo, sem catapulta e sem máquinas de guerra, derrubou os muros de Jericó nos tempos de Josué” (2Mc 12, 15).

Contudo não pode deixar de chamar a atenção o artifício prescrito pelo Senhor. Precisava o Todo-Poderoso de que os israelitas fizessem o circuito da cidade para que Ele desmantelasse as fortificações? Que relação há entre as procissões, com seus toques de trombeta, e o desmoronamento subsequente?
Pressupondo que eram um estratagema bélico, os exegetas têm procurado estabelecer um nexo entre esses desfiles e a vitória final. Assim:
1. Alguns apelam para o testemunho de cronistas da antiguidade, os quais referem que tropas assaltantes, em um ou outro caso, fizeram repetidos circuitos da cidade ou do acampamento sitiados, com o fim de ludibriar o inimigo. Eis, por exemplo, o que narra Sexto Júlio Frontino, autor da obra Stratagemata (catálogo de estratagemas) sob o Imperador Domiciano (81-96):

“Domício Calvino cercava na Ligúria a cidade de Luna, localidade defendida tanto por sua posição geográfica como por obras de fortificação. Muito frequentemente mandava que todas as suas tropas desfilassem ao redor da mesma, reconduzindo-as, a seguir, ao acampamento. Esta tática incutiu aos habitantes a convicção de que os romanos não queriam senão exercitar-se; visto então que negligenciavam o serviço de vigilância. Domício transformou essa espécie de passeata em ataque repentino. A cidade foi tomada, e os moradores se renderam”.

Merece atenção o fato de que o autor refere este estratagema sob o título “De fallendis his Qui obsidebuntur. Como se procede para enganar os que são sitiados”.
Baseando-se neste testemunho, julga o Pe. Abel O. P., professor da Escola Bíblica de Jerusalém, que Josué recorreu a tática semelhante com a intenção de fazer crer aos habitantes de Jericó que os seus planos eram pacíficos e não visavam um ataque à cidade (em tempo de guerra justa, torna-se lícito o recurso não somente a manobras cruentas, mas também às que enganam e desnorteiam o adversário). É de notar, porém, que o ilustre exegeta, para construir a sua hipótese, é obrigado a afirmar que as “passeatas” dos israelitas se realizavam em absoluto silêncio; nem toque de trombeta nem clamor de guerra emanava de Israel, de sorte a não provocar suspeita ou alarma na cidade de Jericó. E, a fim de inferir este traço da narrativa bíblica, Abel, apelando para critérios filológicos, distingue dois documentos, fontes do texto atual de Js 6, documentos dos quais o primeiro, o “fundamental”, lhe parece narrar unicamente desfiles silenciosos!19

A sentença do Pe. Abel não deixa de ter autoridade. Contudo baseia-se num postulado que não pode ser estabelecido com segurança. É o que a torna discutível.

2. Há quem, apelando igualmente para a mentalidade e a praxe dos antigos, explique de outra maneira o valor bélico dos circuitos praticados pelos filhos de Israel. Em vez de tranquilizar os habitantes de Jericó, teriam tido por fim aterrorizá-los!… A ostentação da arca (quase “estandarte” da teocracia israelita) acompanhada pelos sacerdotes e os guerreiros, o toque das trombetas, o brado final deviam ser ritos aptos a impressionar os “supersticiosos” moradores de Jericó. Estes admitiam, sim, a existência de um Deus próprio dos israelitas, protetor poderoso desta gente; haviam ouvido falar dos prodígios realizados por Javé em prol dos hebreus na saída do Egito, na travessia do Mar Vermelho e no deserto; isto tudo os fazia temer (cf. Js 2, 8-11). Sobre este fundo, os desfiles dos israelitas podiam-lhes parecer equivalentes a uma tomada de posse do terreno em nome do Deus Forte de Israel; o número setenário (dos desfiles, dos dias de cerco), sendo símbolo de totalidade, devia insinuar a esses homens a ruína total que o pujante Senhor lhes destinava, condenando-os ao anátema. É preciso não esquecer que, para os antigos, a guerra era ação religiosa; junto com os povos que se defrontavam, julgavam que os respectivos deuses pugnavam entre si;20 ora no caso parecia que o Deus de Israel se anunciava mais forte que os deuses de Jericó, como se mostrara mais poderoso que os dos egípcios e de outras nações.

Assim os desfiles em torno de Jericó teriam desempenhado o papel de causar pessimismo psicológico e religioso aos assediados: quando no fim dos sete dias de estratagema, explorando este estado de alma, Josué soltou o brado de avanço, já não terá encontrado grande resistência por parte dos defensores da cidade.
Esta sentença não pode ser comprovada de maneira decisiva, como também nada de sério se lhe poderia objetar.
Caso se admita uma das duas hipóteses acima propostas, ainda fica margem para a pergunta: como se deu o assalto à cidade após a preparação psicológica dos sete dias?
Sem poder reconstituir o quadro com precisão, dada a escassez de dados, os exegetas por vezes sugerem um ou outro particular que a narrativa lhes parece oferecer:
a) os espiões que, antes do cerco da cidade, estiveram em Jericó (cf. Js 2) concluíram um pacto com a meretriz Rahab, cuja casa estava situada na periferia da cidade (cf. 2, 15). Esta mulher, crendo que realmente Javé havia de entregar Jericó aos hebreus, decidira salvar-se com os seus familiares, atraiçoando os concidadãos; terá, pois, prometido dar ingresso aos invasores pela sua casa, logo que se propusessem empreender o assalto… Para apoiar a tese, os estudiosos fazem notar a precisão de topografia e de sinais, a recomendação de silêncio, no diálogo travado entre Rahab e os exploradores (cf. 2, l5-2O); 21

b) pode-se interpretar em sentido figurado o termo hebraico homah, geralmente traduzido por “muralha”. É, sim, com valor metafórico que ele ocorre, por exemplo, em 1 Sm 25, 16. 22 Significaria então a guarnição militar, os homens que montavam a guarda às portas de Jericó. Estes, e não as muralhas, teriam caído… isto é, desfalecido de terror após o estratagema de Josué; teriam capitulado, permitindo o ingresso na cidade sem desferir algum golpe. Entrando em Jericó, os invasores lhe teriam ateado fogo, poupando apenas a casa de Rahab, posta no perímetro das muralhas; 23
c) o toque diário de trombetas teria sido um artifício para prender a atenção dos habitantes de Jericó, enquanto operários israelitas cavavam galerias debaixo das muralhas de Jericó; uma vez terminados os trabalhos, o brado mais forte teria sido sinal para que pusessem fogo à armação de madeira que sustentava os muros e se retirassem; o pânico teria então irrompido em Jericó. Aproveitando-se da situação confusa e das ruínas causadas pelo incêndio, os filhos de Israel teriam conseguido penetrar na cidade. 24
3. Estas diversas conjecturas formuladas para explicar os desfiles dos israelitas como estratagema bélico, embora muito eruditas, não possuem senão o valor de suposições mais ou menos fundadas no texto e na arqueologia. Não se pode insistir sobre o papel estratégico de tais procissões. Uma consideração mais atenta dos trechos sagrados insinua que o seu significado primordial é de outra ordem: é significado religioso, não militar. Com efeito, eis os termos com que, no fim da Escritura, o Apóstolo de Cristo se refere ao episódio:

“Foi pela fé que os muros de Jericó desmoronaram, depois de se lhes haver dado a volta durante sete dias” (Hb 11, 30).
Esta breve frase estabelece um nexo entre a fé dos israelitas e a conquista de Jericó; foi aquela que de Deus obteve esta. Verdade é que entre a atitude de fé dos hebreus que assediaram Jericó e a conquista da cidade mediaram os desfiles de sete dias. Tais cerimônias foram prescritas pelo Senhor, não, porém, como se Javé visasse ensinar aos seus fiéis um estratagema bélico, a manobra adequada….; foram inculcadas primariamente para que os filhos de Israel tivessem ocasião de exercer a sua fé; praticando aqueles artifícios (cujo valor militar é incerto e não importa muito no caso), os hebreus, antes do mais, professavam crer no Auxílio de Deus, que dispensa máquinas de guerra desde que Ele queira realizar algum desígnio. Depois de ter experimentado essa fé, o Senhor recompensou-a com retumbante vitória.

Firme este princípio básico para a interpretação do episódio, não nos seria lícito fechar os olhos a ulteriores considerações: é bem possível que, para entregar Jericó aos israelitas em prêmio de sua fé, o Senhor se tenha servido de causas segundas. Bons autores pensam que permitiu um terremoto em momento oportuno,26 à semelhança do que se verificou posteriormente numa batalha contra os filisteus.27 Não terá dispensado de pequenos combates o exército de Josué; a estes alude Js 24, 11. 28 O clamor proferido pelo povo israelita imediatamente antes de assaltarem a cidade parece não ser senão a terou-a ou o brado de ataque que marcava o início das batalhas de outrora.29 Nem se exclui a ação devastadora da sede na cidade cercada, pois a única fonte de abastecimento pode ter estado fora dos muros do reduto, como às vezes acontecia (cf. Jt 7, 6). Em suma, é de crer que o texto do livro de Josué não nos refere a história completa da tomada de Jericó, mas se restringe ao episódio que realçava a influência do fator “fé” na campanha bélica.
Quanto à arqueologia, as escavações levadas a efeito desde 1908 no local da antiga cidade fizeram ver que a muralha de Jericó construída após 1600 a.C. sofreu destruição; o seu lado oriental foi mesmo totalmente arrasado. Os arqueólogos discutem sobre a época precisa em que se deu o desastre, embora o assinalem geralmente ao intervalo que corre entre 1400 e 1200 a.C. (ora Josué tomou Jericó por volta de 1200 a.C.).
Em conclusão: as manobras dos hebreus em tomo de Jericó têm primariamente o significado de um testemunho da fé que Deus exigia de seu povo; a sua finalidade imediata era provocar um bem de ordem espiritual numa gente rude como Israel, ou seja, excitar uma sincera atitude religiosa perante o verdadeiro Deus. A resposta do Senhor ao seu povo consistiu certamente numa intervenção poderosa, portentosa, cujos pormenores não podemos descrever com exatidão, visto que o texto sagrado não fornece os elementos para isto.




Prof. Felipe Aquino

segunda-feira, 15 de julho de 2019

Liturgia Diária - O que é de Deus e o que é do mundo”


 Imagem relacionada
1a Leitura - Êxodo 1,8-14.22
Leitura do livro do Êxodo.
Naqueles dias, 1 8subiu ao trono do Egito um novo rei, que não tinha conhecido José.
9Ele disse ao seu povo: "Vede: os israelitas tornaram-se numerosos e fortes demais para nós.
10Vamos! É preciso tomar precaução contra eles e impedir que se multipliquem, para não acontecer que, sobrevindo uma guerra, se unam com os nossos inimigos e combatam contra nós, e se retirem do país".
11Estabeleceu, pois, sobre eles, feitores para acabrunhá-los com trabalhos penosos: eles construíram para o faraó as cidades de Pitom e Ramsés, que deviam servir de entreposto.
12Quanto mais os acabrunhavam, porém, tanto mais eles se multiplicavam e se espalhavam, a ponto de os egípcios os aborrecerem.
13Impunham-lhes a mais dura servidão,
14e amarguravam-lhes a vida com duros trabalhos na argamassa e na fabricação de tijolos, bem como com toda sorte de trabalhos nos campos e todas as tarefas que se lhes impunham tiranicamente.
22Então o faraó deu esta ordem a todo o seu povo: "Todo menino que nascer, atirá-lo-eis ao Nilo. Deixareis, porém, viver todas as meninas".
Palavra do Senhor.

Salmo - 123/124
Nosso auxílio está no nome do Senhor.

Se o Senhor não estivesse ao nosso lado,
que o diga Israel neste momento;
se o Senhor não estivesse ao nosso lado
quando os homens investiram contra nós,
com certeza nos teriam devorado
no furor de sua ira contra nós.

Então as águas nos teriam submergido,
a correnteza nos teria arrastado
e, então, por sobre nós, teriam passado
essas águas sempre mais impetuosas.
Bendito seja o Senhor, que não deixou
cairmos como presa de seus dentes!

Nossa alma como um pássaro escapou
do laço que lhe armara o caçador;
o laço arrebentou-se de repente,
e assim nós conseguimos libertar-nos.
O nosso auxílio está no nome do Senhor,
do Senhor que fez o céu e fez a terra!

Evangelho - Mateus 10,34-11,1
Aleluia, aleluia, aleluia.
Felizes os que são perseguidos por causa da justiça do Senhor, porque o reino dos céus há de ser deles! (Mt 5,10)

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus.
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 10 34"Não julgueis que vim trazer a paz à terra. Vim trazer não a paz, mas a espada.
35Eu vim trazer a divisão entre o filho e o pai, entre a filha e a mãe, entre a nora e a sogra,
36e os inimigos do homem serão as pessoas de sua própria casa.
37Quem ama seu pai ou sua mãe mais que a mim, não é digno de mim. Quem ama seu filho mais que a mim, não é digno de mim.
38Quem não toma a sua cruz e não me segue, não é digno de mim.
39Aquele que tentar salvar a sua vida, perdê-la-á. Aquele que a perder, por minha causa, reencontrá-la-á.
40Quem vos recebe, a mim recebe. E quem me recebe, recebe aquele que me enviou.
41Aquele que recebe um profeta, na qualidade de profeta, receberá uma recompensa de profeta. Aquele que recebe um justo, na qualidade de justo, receberá uma recompensa de justo.
42Todo aquele que der ainda que seja somente um copo de água fresca a um destes pequeninos, porque é meu discípulo, em verdade eu vos digo: não perderá sua recompensa". 11 1Após ter dado instruções aos seus doze discípulos, Jesus partiu para ensinar e pregar nas cidades daquela região.
Palavra da Salvação.

Reflexão  
 
Neste Evangelho Jesus nos orienta a viver aqui na terra sabendo distinguir o que é de Deus e o que é do mundo, e nos dá um veredicto: Ele em primeiro lugar! Em primeiro lugar o Evangelho e os Seus ensinamentos. Por isso, não podemos seguir o ensinamento daqueles que contradizem a Sua Palavra mesmo que sejam pessoas muito queridas para nós, como nosso pai ou nossa mãe.  O seguimento a Cristo nos condiciona a tê-Lo em primeiro lugar na nossa vida! Antes de tudo, precisamos vivenciar o Evangelho e os ensinamentos de Deus Pai, que Jesus veio nos revelar. A Palavra de Deus é guia para nossa caminhada. Com efeito, precisamos perceber em que ponto estaremos indo contrário ao que Jesus nos ordena. Com este ensinamento Jesus vem arrancar das nossas mãos a paz da acomodação e nos entregar a espada do Espírito Santo para que possamos lutar contra toda heresia e contra testemunho. Ele veio trazer a Sua paz que é gerada na justiça de Deus e na Sua vontade para a nossa vida. O homem justo é aquele que faz a vontade de Deus e vive de acordo com os Seus ensinamentos.   A vontade de Deus, portanto, é soberana e está acima da vontade dos homens, por isso, Ele é bem claro e explícito quando afirma que não é digno de si todo aquele que ama seu pai e sua mãe mais do que a Ele. Amar aqui significa ouvir, seguir, dar atenção, privilegiar, enfim, ter mais consideração e obedecer. Jesus não veio nos separar fisicamente uns dos outros, mas sim, das ações, da mentalidade e das práticas dos que são do mundo.   Quem quiser seguir a Jesus não ficará sem recompensa! Quem acolher aquele que vem em Seu Nome será acolhido também pelo Pai!    Quem tomar a sua cruz assumindo a vida dentro dos conceitos evangélicos imitando a Jesus que morreu na Cruz para nos salvar será digno de ser Seu discípulo. Assumimos a cruz quando nos apossamos da salvação de Jesus e não queremos promover a nossa própria salvação.   -  A quem você costuma seguir: ao que Deus lhe recomenda ou o que os seus queridos lhe sugerem? – Você seria capaz de fazer uma opção radical por Deus, mesmo que fique contra toda a sua família?  -  Você já tentou atrair a sua família para Deus, da mesma forma que as outras pessoas tentam atrai-la para o mundo? 




Helena Serpa

O que a Igreja liga na Terra, Jesus liga no céu.

“Em verdade vos digo: tudo o que ligardes sobre a terra será ligado no céu, e tudo o que desligardes sobre a terra será também desligado no céu” (Mt 18,18).
Parece que há alguns católicos que não entenderam ainda as promessas que Jesus fez à Igreja que Ele instituiu sobre Pedro de os Apóstolos. Entre outras Ele lhes disse: “Quem vos ouve a Mim ouve; quem vos rejeita, a Mim rejeita; e quem me rejeita, rejeita Aquele que me enviou” (Lc 10,16).
Esta é a bela lógica que Deus escolheu para salvar a humanidade: o Pai enviou o Filho como salvador e Redentor; e o Filho enviou a Igreja. É preciso ter com clareza que a Igreja é o “prolongamento da presença de Cristo no meio da humanidade”. “A Igreja é o Corpo do Senhor, e o ostensório do Seu coração”, disse Maurice Zundel. Bossuet preferiu dizer que: “A Igreja é Jesus Cristo derramado e comunicado a toda a terra”.

Os grandes Santos Padres da Igreja, doutores da Igreja, como São Basílio Magno, São Gregório de Nissa, São Gregório de Nazianzo, Santo Agostinho, São Jerônimo, etc., tinham esta certeza: “Ubi Petrus, ibi Ecclesia; ubi Ecclesia ibi Christus” (Onde está Pedro, está a Igreja; onde está a Igreja está Jesus Cristo). Santo Inácio de Antioquia (†110), mártir no Coliseu de Roma, disse: “Onde está o Cristo Jesus está a Igreja Católica”. A Lumen Gentium do Concílio Vaticano II, disse que “Deus estabeleceu congregar na Santa Igreja os que creem em Cristo” (LG, 2).
Uma promessa que Jesus fez à Igreja, a Pedro (Mt 16,19) e aos Apóstolos unidos a Pedro (Mt 18,18), é que tudo o que eles ligarem na Terra, Ele ligaria no céu. E aí está a infalibilidade da Igreja: como no céu não pode ser ligado nada errado, então, o Espírito Santo assiste e guia a Igreja para não ligar nada de errado na Terra, pois isto terá de ser ligado no céu, por força de promessa de Jesus.
Desta certeza vem toda a beleza, por exemplo, da Liturgia. Ou ainda, quando a Igreja celebra o Natal aqui, no dia 25 de dezembro, o céu também o celebra neste dia. Se a Igreja celebra o dia do nascimento de Nossa Senhora no dia 8 de setembro, o céu o celebra no mesmo dia, e assim por diante. E quando celebramos essas datas e todas as outras festas litúrgicas, solenidades e memórias de santos, no dia fixado pela Igreja, as graças desse acontecimento se tornam atuais e as recebemos em sua celebração como no acontecimento original. De modo especial, quando celebramos a Santa Missa, torna-se presente a nossa Redenção. Daí vem toda a beleza, profundidade e espiritualidade da Liturgia.
É de causar admiração o poder que Jesus confiou a Pedro, o Papa, e à sua Igreja. Quando o Papa confirma, por exemplo, que alguém é santo, e o canoniza, não há dúvida de que aquela pessoa está no céu, “intercedendo por nós sem cessar”, como diz a Liturgia eucarística. Esta é a beleza de nossa fé; desde aqui da Terra já participamos da glória do céu, como que por antecipação.



Prof. Felipe Aquino

domingo, 14 de julho de 2019

15º Domingo do Tempo Comum - "Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração..."


 Imagem relacionada
1a Leitura - Deuteronômio 30,10-14
Leitura do livro do Deuteronômio
30 10Moisés assim falou ao povo: obedeça à voz do Senhor, teu Deus, observando seus mandamentos e seus preceitos escritos neste livro da lei, e volte para o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração e de toda a tua alma.
11O mandamento que hoje te dou não está acima de tuas forças, nem fora de teu alcance.
12Ele não está nos céus, para que digas: quem subirá ao céu para no-lo buscar e no-lo fazer ouvir para que o observemos?
13Não está tampouco do outro lado do mar, para que digas: quem atravessará o mar para no-lo buscar e no-lo fazer ouvir para que o observemos?
14Mas essa palavra está perto de ti, na tua boca e no teu coração: e tu a podes cumprir.
Palavra do Senhor.

Salmo - 68/69
Humildes, buscai a Deus e alegrai-vos:
o vosso coração reviverá!

Por isso elevo para vós minha oração
Neste tempo favorável, Senhor Deus!
Respondei-me e pelo vosso imenso amor,
Pela vossa salvação que nunca falha!
Senhor, ouvi-me, pois suave é vossa graça,
Ponde os olhos sobre mim com grande amor!

Pobre de mim, sou infeliz e sofredor!
Que vosso auxílio me levante, Senhor Deus!
Cantando, eu louvarei o vosso nome
E, agradecido, exultarei de alegria!

Humildes, vede isto e alegrai-vos:
O vosso coração reviverá
Se procurardes o Senhor continuamente!
Pois nosso Deus atende à prece dos seus pobres
E não despreza o clamor de seus cativos.

Sim, Deus viera e salvará Jerusalém,
Reconstruindo as cidades de Judá.
A descendência de seus servos há de herdá-las,
E os que amam o santo nome do Senhor
Dentro delas fixarão sua morada!

2a Leitura - Colossenses 1,15-20
Leitura da carta de são Paulo aos Colossenses.
1 15Cristo é a imagem de Deus invisível, o Primogênito de toda a criação.
16Nele foram criadas todas as coisas nos céus e na terra, as criaturas visíveis e as invisíveis. Tronos, dominações, principados, potestades: tudo foi criado por ele e para ele.
17Ele existe antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem nele.
18Ele é a Cabeça do corpo, da Igreja. Ele é o Princípio, o primogênito dentre os mortos e por isso tem o primeiro lugar em todas as coisas.
19Porque aprouve a Deus fazer habitar nele toda a plenitude
20e por seu intermédio reconciliar consigo todas as criaturas, por intermédio daquele que, ao preço do próprio sangue na cruz, restabeleceu a paz a tudo quanto existe na terra e nos céus.
Palavra do Senhor.

Evangelho - Lucas 10,25-37
Aleluia, aleluia, aleluia.
Ó Senhor, vossas palavras são espírito e vida; as palavras que dizeis bem que são de eterna vida! (Jo 6,63.68)


Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas.
10 25Levantou-se um doutor da lei e, para pô-lo à prova, perguntou: "Mestre, que devo fazer para possuir a vida eterna?"
26Disse-lhe Jesus: "Que está escrito na lei? Como é que lês?"
27Respondeu ele: "Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todas as tuas forças e de todo o teu pensamento; e a teu próximo como a ti mesmo".
28Falou-lhe Jesus: "Respondeste bem; faze isto e viverás".
29Mas ele, querendo justificar-se, perguntou a Jesus: "E quem é o meu próximo?"
30Jesus então contou: "Um homem descia de Jerusalém a Jericó, e caiu nas mãos de ladrões, que o despojaram; e depois de o terem maltratado com muitos ferimentos, retiraram-se, deixando-o meio morto.
31Por acaso desceu pelo mesmo caminho um sacerdote, viu-o e passou adiante.
32Igualmente um levita, chegando àquele lugar, viu-o e passou também adiante.
33Mas um samaritano que viajava, chegando àquele lugar, viu-o e moveu-se de compaixão.
34Aproximando-se, atou-lhe as feridas, deitando nelas azeite e vinho; colocou-o sobre a sua própria montaria e levou-o a uma hospedaria e tratou dele.
35No dia seguinte, tirou dois denários e deu-os ao hospedeiro, dizendo-lhe: 'Trata dele e, quanto gastares a mais, na volta to pagarei'.
36Qual destes três parece ter sido o próximo daquele que caiu nas mãos dos ladrões?"
37Respondeu o doutor: "Aquele que usou de misericórdia para com ele". Então Jesus lhe disse: "Vai, e faze tu o mesmo".
Palavra da Salvação.

Reflexão
 
Vivemos num mundo onde tudo gira em torno das coisas materiais, com isso, muitos, vamos perdendo o senso do amor, do valor da fé, da família... Voltados para os próprios interesses,  esses, não enxergam as necessidades dos irmãos, daqueles  que estão esquecidos às margens do caminho, ignorados por uma sociedade materialista que ignora o ser e  que tem como parâmetro o ter. Uma sociedade fixada na ideia da competitividade, que tenta nos desvirtuar dos bens eternos.
Em meio a tantos adversários do projeto de Deus, Jesus vem nos trazer algo novo, uma proposta de vida nova, que ao contrário do mundo, valoriza  o “ser!”
No evangelho que a liturgia de hoje nos convida a refletir, um mestre da lei, aproxima-se de Jesus e o interroga, não, para obter algum aprendizado, mas na intensão de colocar Jesus em dificuldade: “Mestre, que devo fazer para receber em herança a vida eterna?” Jesus responde com outra pergunta: “O que está escrito na lei?” Ele respondeu: “Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração e com toda tua alma, com toda sua força e a teu próximo como a ti  mesmo.” Jesus completou: “ Jesus lhe disse: “Tu respondeste corretamente.” “Faze isso e viverás.” Não satisfeito, o mestre da lei, o interroga novamente: “E quem é o meu próximo?” Jesus sabia qual era a sua  intenção, mas mesmo assim, responde mais esta pergunta de fundo maldoso, desta vez, contando uma parábola conhecida como a parábola do Bom Samaritano.
Com esta parábola, Jesus não só desmascara o mestre da lei, que se mostrava conhecedor da palavra de Deus, mas não a colocava em prática, como também nos adverte, quanto ao perigo de ficarmos somente no conhecimento da palavra de Deus e não coloca-la na nossa vida!
Ao contrário do sacerdote e do levita, que passaram por um homem ferido, caído à beira do caminho e não o socorreu em obediência a uma lei que não lhes permitia tocar em pessoas que estava sangrando, para não se tornar impuro, um samaritano o socorreu. O homem ferido, vítima de um assalto, era um judeu, e como sabemos, judeus e samaritanos eram inimigos declarados, mas isso, não  impediu que o samaritano o socorresse. O amor deste samaritano, falou mais alto do que as divergências que havia entre eles, ele não considerou a nacionalidade daquele que precisava de ajuda, ele viu  um “ser humano” caído no chão, necessitando de ajuda e o socorreu! Quem ama desta forma, ama com o coração de Jesus, é capaz de abraçar  com este amor, até mesmo um inimigo. É este, o amor desejado por Deus, o amor que Ele quer que todos nós cultivemos no coração, um amor que supere toda e qualquer divergência, que não fique somente no sentimento de pena, na intenção, e sim, um amor  que seja transformado em ação!
Na parábola, o samaritano, que não tinha o conhecimento das leis, deu um grande testemunho de amor ao próximo ao socorrer um homem considerado inimigo do seu povo, enquanto que o sacerdote e o levita, ficaram presos na lei, criada pelos os próprios  judeus, desconsiderando assim, a lei maior, que é a lei do amor!
Não somos verdadeiros, quando dizemos que amamos a Deus, mas não temos atitudes de amor para com o próximo, como o sacerdote e o levita da parábola, pois é o nosso amor ao próximo, que confirma o nosso amor a Deus!
Fala-se muito sobre o amor ao próximo, mas vive-se pouco este amor!
Jesus está sempre nos apontando o caminho que devemos percorrer, para que possamos chegar ao coração do Pai, que é o caminho do amor, um caminho, que às vezes, pode nos parecer difícil, mas nunca intransponível, pois o próprio amor abre caminhos!
Não pode haver sintonia entre o homem e Deus, sem a vivência do amor, pois Deus é amor, Ele nunca se separa de nós, apesar das nossas ingratidões, é  a falta de amor que nos separa de Deus! Daí, a insistência de Jesus  em querer que todos nós vivamos no amor!
O amor gera vida, nos torna testemunhas vivas do amor de Deus no mundo, nos possibilitando viver a nossa humanidade de forma divina!
O mandamento do amor é um mandamento sempre novo, pois o amor é atual, o amor nunca entra em decadência.
A nossa identidade, o que nos distingue como seguidores de Jesus é a nossa vivencia no amor!
 
 

Olivia Coutinho